quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Paradoxo Jovem #16: Depressão não é Frescura?

  

    Bom dia, boa tarde ou boa noite aos caríssimos e caríssimas companheiros de jornada de Parábolas Geek! 

     A coluna Paradoxo Jovem é fruto de uma experiência que tivemos junto ao blog o Jovem e o Mundo onde respondíamos questões levantadas pelos seguidores do blog que pediam ajuda em diversas áreas de suas vidas. Estamos reproduzindo e atualizando alguns destes textos nesta coluna, pois o tempo passa, mas os desafios da juventude cristã continuam os mesmos, com graus de dificuldade cada vez mais intensos.
 
   Nosso tema hoje é a depressão. Você poderia me perguntar: "- Mas Eduardo, a depressão atinge as pessoas mais velhas não é problema de jovem!" Eu te responderia: "- Você não viu as últimas pesquisas que mostram que a depressão é a principal doença que tem atingido jovens e adolescentes? Cerca de 21% de nossos jovens com idade entre 14 e 25 anos apresentam sintomas de depressão. Quando dividimos por gênero, percebe-se que as meninas tem um índice ainda mais alto superando os 28% segundo os dados do 2º Levantamento Nacional de Álcool e Drogas (Lenad) divulgados na USP. Segundo este levantamento 3 em cada 10 meninas sofrem com os sintomas da depressão e 2 em cada 10 meninos. Uma taxa extremamente alta se levarmos em conta que nesta idade, a grande maioria dos adolescentes e jovens ainda não tem todas as preocupações e compromissos da vida adulta, pois moram com os pais e apenas estudam. Então como explicamos estes dados?
 
 
     Vivemos em uma sociedade totalmente conectada, com informação real a cada instante. Estamos crescendo em um mundo onde uma enxurrada de informações são colocadas diante de nós todos os dias e essas informações de todos os tipos estão causando ansiedade e preocupação no coração da juventude. Estar antenado nas redes sociais, nas informações que chegam a todo o instante e no que todos os seus conhecidos estão fazendo gera, em muitas pessoas, estresse. Outro ponto que gera muito desgaste está na manutenção de várias "vidas" que muitos adotam nesta era digital. 
 
    
      A primeira vida é a real e que deveria ser a única, mas como todas as vidas tem rotinas, e coisas que não são tão legais para que os outros saibam, essa fica restrita para um grupo pequeno de pessoas que são os familiares. A segunda vida seria uma vida "digital" aquilo que o jovem quer que saibam sobre ele. Nessa vida não existe tristeza, não existem problemas apenas o sorriso no rosto nas Selfies, as frases de efeito e o narcisismo que as redes sociais impõem. Poderia citar outras "vidas" mas ficaremos nestas duas para entendermos o que está acontecendo.
 
     Existe um descompasso, uma diferença entre a vida real e a vida digital de cada pessoa e muito conseguem encarar as redes sociais como todos nós deveríamos: como uma diversão sem maiores importâncias. Porém o que estamos vivendo após o estabelecimento das redes sociais como parte da vida das pessoas, é que a importância dada a elas é muito grande. As pessoas estão transferindo para a rede social toda sua vida. Então nesse sentido o que lemos na internet a respeito de uma pessoa está se tornando a imagem desta pessoa para o mundo. E é exatamente neste ponto que a depressão está atingindo nossos jovens. O desespero de que outros saibam que a sua vida não é tão descolada como aparece nas publicações tem gerado ansiedade e estresse em muitos que não tem condições de sustentar o "visual ostentação" das postagens. 
 
      O título deste post é uma provocação que ainda hoje está na mente de muitas pessoas que confundem depressão com tristeza, com preguiça, com frescura. Porém devemos tomar muito cuidado com os sintomas e procurar ajuda quando as coisas saem do nosso controle.
 
Retiramos alguns sintomas de depressão do blog do autor Drauzio Varella que são os seguintes:

1) Estado deprimido: sentir-se deprimido a maior parte do tempo, quase todos os dias;
2) Anedônia: interesse ou prazer diminuído para realizar a maioria das atividades;
3) Alteração de peso: perda ou ganho de peso não intencional;
4) Distúrbio de sono: insônia ou hipersônia praticamente diárias;
5) Problemas psicomotores: agitação ou apatia psicomotora, quase todos os dias;
6) Falta de energia: fadiga ou perda de energia, diariamente;
7) Culpa excessiva: sentimento permanente de culpa e inutilidade;
8) Dificuldade de concentração: habilidade frequentemente diminuída para pensar ou concentrar-se;
9) Ideias suicidas: pensamentos recorrentes de suicídio ou morte.

        O nível da depressão está no número de sintomas apresentados ao mesmo tempo, ou seja, quanto mais sintomas, maior é o grau do problema.
        Na Bíblia vemos que este problema afetou vários personagens como Moisés, Elias ao longo de suas caminhadas em momentos de muita pressão e angústia. Mas vemos o Senhor Jesus nos chamando para uma vida mais simples e leve. Devemos aprender com Ele:

Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve". Mateus 11:30
     Deixar nossas ansiedades e problemas com o Senhor é a melhor solução para viver uma vida mais leve sem toda a pressão que a vida moderna nos direciona.
Bendito seja o Senhor, Deus, nosso Salvador, que cada dia suporta as nossas cargas. Pausa Salmos 68:19

      Podemos agradecer a Ele antes de recebermos a nossa bênção, pois temos a certeza de que é Ele quem nos ajuda neste processo.
Levem os fardos pesados uns dos outros e, assim, cumpram a lei de Cristo. Gálatas 6:2

      Ter sempre um irmão com quem possa contar nos momentos difíceis é um refrigério para nossas vidas. Portanto tenha sempre com quem contar. Se neste momento você não tiver ninguém, entre em contato conosco. O pior sofrimento é a solidão quando precisamos de ajuda. 



      O mais importante é colocar o problema diante de Deus, não ignorar os sintomas e procurar ajuda médica se for o caso. Podemos ser curados sobre naturalmente ou pelas mãos dos médicos. Não sofra sozinho, procure ajuda, viva mais leve.



Seja feliz!


Pastor Eduardo Medeiros

2 comentários:

  1. Ótimo artigo! Gostei da abordagem a respeito das redes sociais, do efeito "vida digital" e do stress que isso pode causar.

    Nunca houve uma geração que tivesse tanto acesso a informação e facilidade para se comunicar do que a nossa, no entanto, é a geração mais vazia e solitária também. Encontrar o equilíbrio no uso das redes não é fácil, e penso que na verdade, o uso abusivo das redes pode ser um sintoma do "vazio" existente e não em si o foco do problema – depressão no caso.

    Deus abençõe vcs! Abs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caríssima Kelly, obrigado! Como pastor de Jovens acompanho o drama de uma vida dupla e a falta de percepção entre o que é real e virtual...
      Acredito que este é o nosso desafio com os jovens hoje...

      Excluir