segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Paradoxo Jovem #22: E essa tal Submissão?



Olá caríssimas e caríssimos companheiros de Parábolas, tudo bem com vocês?

       Hoje queremos em nossa coluna Paradoxo Jovem, responder a uma questão de uma de nossas leitoras que nos pergunta sobre submissão. 



     Excelente questão que ainda hoje é muito mal entendida no meio cristão e por isso responderemos a esta irmã no post de hoje! Você tem alguma dúvida que gostaria de ver aqui na nossa coluna? Escreva para parabolasgeek@gmail.com que teremos o maior prazer em responder sua questão em um de nossos posts da coluna! Vamos ao texto de hoje!


     Em nosso bate-papo de hoje, vamos tratar de um assunto polêmico e que normalmente não é muito falado por falta de entendimento: a submissão da esposa em relação ao esposo. Este é um assunto muito pertinente em dias onde ainda vemos nos jornais e meios de comunicação, casos e mais casos de maus tratos a mulheres, sendo que a maioria destes terríveis delitos acontece dentro do matrimônio, que deveria oferecer proteção e cuidado para o casal.

     Quando éramos noivos fazendo o curso para nos prepararmos para o casamento, esta aula realmente frustrou minha noiva, hoje minha amada esposa e mãe de nosso pequeno Joshua. Não é fácil você ser independente durante seu tempo de solteira e de repente ouvir de sua líder que você precisa se submeter a seu esposo. Que atire a primeira pedra a mulher que nunca torceu o nariz ao ouvir esta palavra!

     Graças a Deus pelo casal de líderes que ministrou o curso pra nós: Albely e Joelma Lesnau que além de líderes são grandes amigos que nos acompanham desde que éramos neófitos. 

Sobre este tema, vamos com o que a Bíblia diz a respeito:

Os versículos mais utilizados para tratar de submissão são os seguintes:

Mulheres, sujeitem-se a seus maridos, como convém a quem está no Senhor. Colossenses 3:18

Mulheres, sujeitem-se a seus maridos, como ao Senhor, Efésios 5:22

     Nossa sociedade apresenta desde a década de setenta, uma espécie de queda de braço entre os gêneros na busca de condições igualitárias entre homens e mulheres. Historicamente, as mulheres realizaram feitos surpreendentes, e não podemos nos esquecer que as primeiras sociedades humanas eram matriarcais, não patriarcais.

     Estes versículos foram utilizados de maneira imprópria para justificar abusos e violência domésticas durante muitos anos, em gerações e gerações de homens que não souberam como tratar suas esposas. Em contrapartida, não restou outra alternativa a estas esposas, que não fosse resignar-se de sua situação, acostumando-se com ela, se é que é possível falar de conformismo com tamanho desrespeito e machismo. 

      O tempo passa e temos hoje uma geração de guerreiras que assumem seu papel diante da sociedade e conquistaram um espaço importante no mercado de trabalho em todas as áreas possíveis. O problema parece ser agora outro: de um lado mulheres resignadas em relações desiguais com seus esposos, e de outro mulheres que não querem entrar em relacionamentos de dependência, pois são muito bem resolvidas sozinhas! Um interessante paradoxo se apresenta!


     O grande problema do conceito da submissão, é que ele foi denegrido ao longo do tempo sendo associado a subserviência (sujeição servil à vontade alheia, submissão voluntária a alguém ou a alguma coisa; servilismo.) Submissão não está relacionado com dominação, mas sim com a imagem deste post que você possa achar que não tem nada a ver com o texto. 


      A ideia básica de submissão está relacionada com o local de onde o Senhor extraiu Eva de Adão: suas costelas.

Então o Senhor Deus fez o homem cair em profundo sono e, enquanto este dormia, tirou-lhe uma das costelas, fechando o lugar com carne. Com a costela que havia tirado do homem, o Senhor Deus fez uma mulher e a trouxe a ele. Gênesis 2:21-22

     A mulher não foi tirada dos pés do homem para que seja pisada por ele, nem da cabeça para que briguem por liderança, mas sim da costela, próximo ao coração para que caminhem lado a lado.

    Ser submisso ou submissa à missão de alguém, significa estar inserido, mergulhado nesta missão. Como o submarino da foto, é estar imerso na visão que o esposo tem para o casal e para a família. Parece simples não? Mas e o papel do esposo nisto tudo?

      Vamos supor seguinte: como esposo eu digo a minha amada Meiry que vou me jogar de um penhasco e que ela precisa se submeter a esta decisão e se jogar comigo. O que vocês acham que ela faria? Me seguiria para uma missão suicida e idiota como esta? Claro que não! Esposos precisam buscar em Deus uma missão que seja digna de ser seguida por suas esposas! Qualquer pessoa seguirá uma missão e trabalhará para que ela seja concluída com êxito, se ela souber exatamente para onde está indo.

     Isto está realmente em falta em nossos dias... Homens que tenham convicção do que querem e para onde estão indo. Temos uma geração com homens que ainda não deixaram pai e mãe para formarem sua família, mesmo após o casamento. Homens inseguros, Sem iniciativa, que deixam espaços que fazem parte de seu papel no casamento para que as mulheres, com seus ombros pesados pelo acúmulo de funções no trabalho e em casa acabam exercendo, gerando estresse, problemas de ordem emocional e até mesmo físicos.

     É tempo de relembrarmos os papéis no casamento para que o relacionamento seja saudável e produza frutos para a humanidade e para a sociedade onde vivemos. Se tivermos uma sociedade com homens de verdade, não considerando isso como homens violentos ou grosseiros, mas sim homens inteligentes que saibam a direção que o Senhor está dando para sua família e comunique isso a sua esposa e a faça participar de todo este processo, a submissão será algo natural e espontâneo e acima de tudo prazeroso e sem peso para a mulher. Homens, lembrem-se da premissa básica para o casamento. Se não estiver disposto a cumprir o versículo a seguir, então você não está pronto para casar. Seja Feliz!

Maridos, amem suas mulheres, assim como Cristo amou a igreja e entregou-se a si mesmo por ela. Efésios 5:25


Pastor Eduardo Medeiros

Nenhum comentário:

Postar um comentário